O Grupo de Puebla aumenta seu alcance com a participação de mais de 80 líderes de 17 países que participaram da comemoração de seu primeiro ano.

puebla7

Mais de 80 líderes progressistas de 17 países participaram do comemoração do primeiro ano de existência do Grupo Puebla.  O grupo continua seu crescimento, o que se evidencia pela presença de representantes de três governos em exercício da Ibero-América e do Caribe (Argentina, México e Espanha), oito ex-presidentes e vários parlamentares e líderes do progressismo que na reunião  desta, sexta-feira, 10 de julho, em que se discutiu a “Agenda Progressiva para Superar a Crise da Pandemia dos Covid-19”.

Entre os presentes que ingressaram nesta instância de diálogo pela primeira vez estão a chanceler da Espanha, María Aránzazu González, e a chefe do Governo da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, que se tornou a primeira mulher eleita para ocupar o cargo e  que também é colaboradora próximo do presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador.  Ademais, quiseram estar no encontro, mas não puderam por uma questão de agenda, o presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez, o prefeito de Barcelona, ​​Ada Colau, a congressista dos Estados Unidos Ilhan Omar e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Brasil).

O debate foi moderado pela secretária executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, e pelo ex-candidato à presidência chilena Marco Enríquez-Ominami, que é um dos coordenadores e também um dos promotores da esta iniciativa.  O ex-presidente da Colômbia, Ernesto Samper, e o ex-ministro da Educação do Brasil, Aloizio Mercadante,  apresentaram os detalhes da proposta inovadora feita pelo Grupo para superar a crise causada pela pandemia do coronavírus.

Também participaram da reunião a ministra espanhola da Igualdade, Irene Montero, a ministra da Mulher, Gênero e Diversidade da Argentina, Elizabeth Gómez Alcorta e os ministros da mesma nação, Felipe Solá, de Relações Exteriores, Comércio Internacional e Adoração;  o ministro da Educação, Nicolás Trotta, e o ministro do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Juan Cabandié.  A eles se juntaram as economistas Mariana Mazzucato, que além de ser uma acadêmica líder, também é consultora do primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte para superar a crise do Covid-19, e José Antonio Ocampo, internacionalmente conhecido por seu trabalho com Thomas Piketty e  o Prêmio Nobel de Economia de 2001 Joseph Stiglitz.  Também estiveram presentes o Coordenador Geral da Progressista Internacional, David Adler (Estados Unidos) e o candidato à presidência boliviana do MAS, Luis Arce, entre outros.

O debate abordou questões como a recuperação do papel fundamental do Estado nas sociedades;  saúde como um bem público global;  tributação democrática para corrigir a desigualdade;  o desenvolvimento de um modelo democrático de inclusão social;  o fortalecido da democracia e a transparência na tomada de decisões;  correção de falhas de mercado;  proteção e promoção da concorrência;  estabilidade macroeconômica com políticas ativas de geração de emprego e reindustrialização dos países e sua transição ecológica.

Além disso, o Grupo Puebla expressou sua condenação contra processos judiciais de motivação política, executados contra os ex-presidentes Evo Morales, Rafael Correa e Luiz Inácio Lula da Silva.

No início da comemoração, o Presidente da Argentina, Alberto Fernández, comentou através de um vídeo sobre um dos principais objetivos do Grupo Puebla.: “Construir um continente com mais igualdade, mais equilíbrio social, que melhor distribua a renda.  Essas são as questões que temos pendentes, enquanto a pobreza continuar a existir em nossos países, é uma dívida moral que temos com cada um desses pobres, porque chegamos à política para que eles não existam, para que se tornem parte integrante da sociedade que  nós queremos viver ”.

Em relação às propostas da “Agenda Progressiva para Superar a Crise da Pandemia de Covid-19”, o ex-presidente José “Pepe” Mujica apontou: “acompanho as propostas em matéria fiscal, mas devemos começar a pensar no Estado investidor, não  necessariamente como gerente, mas parceiro em novas atividades econômicas, especialmente se forem sustentáveis.  Não é possível que existam gigantescos grupos privados no mundo dedicados pura e exclusivamente ao investimento e que os Estados tenham como fontes de recursos apenas as vicissitudes da política fiscal.  Porque cada vez eles vão precisar de mais e mais recursos, porque o mercado terá problemas que nunca podem e não devem resolvê-los.  O mercado não precisa ter empatia nem misericórdia, isso deve ser função do Estado ”.

Enquanto a ex-presidenta brasileira, Dilma Rousseff, sustentou: “Precisamos construir um espaço regional, devemos estabelecer cadeias produtivas de valor no continente.  Temos 670 milhões de construtores e esta é a nossa vantagem comparativa, devemos negociá-la a um preço de ouro.  Em outras palavras, podemos e devemos colocar isso como uma gestão principal “.

Os membros fundadores que participaram foram os ex-presidentes José “Pepe” Mujica, Dilma Rousseff, Ernesto Samper, Evo Morales, Martin Torrijos e José Luis Rodríguez Zapatero; Ministra Irene Montero (Espanha);  os ex-chanceleres Celso Amorim (Brasil) e Guillaume Long (Equador);  o ex-candidato presidencial chileno Marco Enríquez-Ominami;  ex-ministros Aloizio Mercadante (Brasil), Clara López Obregón (Colômbia), Daniel Martínez Villamil (Uruguai) e Carlos Ominami (Chile);  Os senadores Jorge Taiana (Argentina) e José Miguel Insulza (Chile); o coordenador do Grupo Parlamentar de Morena e Presidente do Conselho de Coordenação Política da Câmara dos Deputados, Mario Delgado (México); e advogada Carol Proner (Brasil).

Na comemoração, participaram também membros do Conselho Latino-Americano de Justiça e Democracia (CLAJUD), plataforma jurídica do Grupo Puebla. Os juristas que participaram da atividade foram a ministra Elizabeth Gómez Alcorta e o doutor em Direito Penal Juarez Tavares (Brasil), entre outros.

Enquanto do Grupo Parlamentar Progressista Ibero-Americano (GPI) do Grupo Puebla, estavam presentes Daniella Cicardini (Chile) e Karina Sosa (El Salvador), entre outros.

Leave a comment

two + seventeen =

Skip to content