Ex-presidente do Equador Rafael Correa: “Há países que estão passando por uma catástrofe e isso é produto de maus governos”

correa

O ex-presidente participou nesta quarta-feira do segundo capítulo de “Diálogos de Mudança com o Grupo Puebla”, um exitoso programa na Internet dirigido por Marco Enríquez-Ominami.Também participou da discussão, vista por mais de 300 mil pessoas ao vivo e nas horas seguintes, a deputada equatoriana, agora refugiada no México, Gabriela Rivadeneira.

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa, juntamente com a parlamentar do país dele, Gabriela Rivadeneira, que era a mais jovem presidente da Assembléia Nacional na história do Equador e que atualmente é refugiada no México como resultado da perseguição política do governo de Lenin Moreno, participou nesta quarta-feira do segundo capítulo do bem-sucedido “Diálogos de Mudança com o Grupo de Puebla”, conversas promovidas pelo grupo de líderes progressistas da Ibero-América, dirigidas por Marco Enríquez-Ominami, e que na segunda transmissão conta com mais de 1 milhão de visitas.

Na ocasião, Correa apontou a relação da má administração que o atual governo de seu país, liderado pelo presidente Lenín Moreno, com a medidas econômicas e sanitárias para enfrentar a disseminação da Covid-19, detalhando que “existem países que vivendo uma catástrofe e isso é um produto de maus governos “.

Na mesma linha, Gabriel Rivadeneira destacou que em seu país “as pessoas estão morrendo de uma pandemia mal tratada, as pessoas estão morrendo de fome e a mudança de governo se torna uma parte fundamental, não apenas do Equador, mas também dos governos da América do Sul ”.

Correa também reiterou que seu país está enfrentando “a pior emergência do século com o pior governo da história”, afirmando que “está aproveitando essa crise muito séria para não enfrentar a pandemia, mas aplicar seu fundamentalismo”.

Com relação às próximas eleições no Equador, programadas para fevereiro de 2021, o ex-presidente garantiu que “é uma falácia que, devido aos problemas econômicos e de pandemia, as eleições tenham que ser suspensas, eles querem ganhar tempo para eliminar as forças progressistas”.

E insistiu que “aqueles que nos dizem que você não pode votar, nos dizem que você pode trabalhar”, mencionando também que qualquer apelo à unidade nacional “é uma cortina de fumaça” e só busca ” manter um silêncio cúmplice ”.

Por fim, Rafael Correa destacou a importância da integração regional: “uma ação coletiva regional, integração, não seria apenas extremamente útil, extremamente desejável e indispensável”. Nesse caso, o ex-presidente aludiu à existência da UNASUL em 2009, quando surgiu a epidemia do H1N1, mencionando que naquela ocasião “os ministros da saúde se encontraram e tínhamos uma estratégia regional contra o vírus”, que funcionou muito bem.

“Agora, o que o Peru fez: mandou suas forças armadas para a fronteira, para que os equatorianos contaminados não passassem; Eles moveram tanques para combater o vírus. É triste ver o que eles fizeram em tão pouco tempo na América Latina. Obviamente, com uma integração, isso teria sido muito melhor. A ação regional coordenada teria ajudado bastante “, insistiu Correa, ressaltando que o intercâmbio de especialistas ou compras de medicamentos teria facilitado em maior medida uma boa estratégia para enfrentar a atual crise.

Leave a comment

one × 1 =

Skip to content